Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma inovação amazônida: o Geojornalismo

» Edição de 2 de junho de 2020

» O capitalismo ensaia sua distopia espacial

» Ultraliberais buscam sobreviver a seu desastre

» Regina, Jair e a manipulação da espontaneidade

» Não peçam o fim dos levantes, diz Alexandria Ocasio-Cortez

» Raiva e rebeldia e no coração do Império

» Edição de 1º de junho de 2020

» A Frente Ampla contra o Brasil

» Ken Loach e sua crítica incompleta à uberização

Rede Social


Edição francesa


» Bouée pour la Grèce, béquille pour l'euro

» Faust et l'alchimie capitaliste

» Indétrônables fauteurs de crise

» Comment la droite américaine exploitait les émeutes

» Les Républicains peuvent-ils tirer parti des émeutes de Los Angeles ?

» Les États-Unis, une nation née dans la brutalité

» Un débat intellectuel en trompe-l'œil

» Le Texas en armes contre le confinement

» Shaw ou l'engagement ironique

» Cinquante ans de « dé-mesure » à l'anglo-saxonne


Edição em inglês


» Another ‘Europeanisation'

» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus

» Austerity is the killer

» UK, a new leader for Labour


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)


Comentários sobre esse texto:

A violência no aconchego do lar

Não é ele quem tem o poder. É vc! Vc tem todo o poder da sair desse inferno, já! Passei pela terrível experiência de ter um namorado que me agredia psicologicamente. Tenho traumas até hj, mesmo já tendo passado quase um ano do fim do namoro. Mas o que importa é que consegui com a minha força e a de meus amigos e parentes, sair dessa. Hj estou muito feliz só de pensar que aquele inferno já é passado e que nunca mais ele vai poder me fazer mal. Bom sorte, tu consegue sair disso. Não queira que seu filho cresça vendo tanto horror contra a mãe dele.


Site: A violência no aconchego do lar

2007-03-12 06:06:15

A violência no aconchego do lar

Sou bancária, 29 anos um filho de 01 ano e seis meses fruto de um relacionamento de 03 anos. As agressoes pelo meu companheiro começaram apos o sexto mes de gravidez, mesmo sendo o que ele mais queria. O primeiro sinal de violencia ele cometeu contra uma filhote de Lhasa apso de seis meses que eu tinha. Ele a pendurou no varal de roupas em plena madrugada debaixo de chuva. Acordei com seus ganidos a retirei de la a sequei e passei o resto da noite chorando enquanto ele ria ironicamente. Depois que nosso filho nasceu, tivemos uma discussao muito grave ainda no meu periodo pos operatorio, o que na minha concepção foi pura traiçao e falta de respeito ... e mesmo assim continuamos juntos ... mas agora, sao suas palavras que me maltratam, suas atitudes desleixadas e a falta de respeito por mim que me apavoram, e mesmo eu, com curso superior, bem esclarecida e independente financeiramente ainda nao consegui dar um basta nisso. Qual é o poder dele?!



2006-11-25 19:54:02

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.