Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 27 de junho de 2022

» Não culpem Moscou pela crise alimentar

» Trabalho: o que a Espanha ganhou ao restaurar direitos

» Pochmann: o que a parceira com a China pode trazer

» “Meu espirito dorme em algum lugar frio”

» 24 de junho de 2022

» Varoufakis: por que a inflação voltou

» A reencarnação prismática do Ulisses

» Poderá a técnica salvar o patriarcado?

» 23 de junho de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Occident contre Occident

» Tunisie : le triple déni des cadres déchus

» L'Ukraine se dérobe à l'orbite européenne

» Le Donbass apprend à vivre sans Kiev

» L'État de droit, une notion faussement neutre

» En Guyane, sous les pavés la Bible

» État d'urgence permanent

» De nouvelles routes pour le pétrole et le gaz

» Donald Trump s'épanouit en chef de guerre

» Le camp d'Hagadera au quotidien


Edição em inglês


» June: the longer view

» Putting internal displacement on the map

» The Trans-Amazonian Highway

» Bosnia-Herzegovina: three intertwined histories

» Energy interdependence

» Consider the croissant: a history of food fraud

» Brazil's trans-Amazonian highway of fire and mud

» Fate of a Chinese colony

» Bosnia: coexistence without reconciliation

» Sinn Féin extends its reach to Ireland's South


Edição portuguesa


» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica

» A Finlândia e a Suécia rompem com o ideal nórdico


Comentários sobre esse texto:

O gosto amargo dos frutos e legumes

Ao que parece a declaração dos DIREITOS DO HOMEM é válida somente para os franceses.
Exploraram por anos outros países até praticamente os exaurirem e tratam pior que aos cães àqueles que, desesperados pela situação em seu país, se submetem às situações mais humilhantes possíveis para o ser humano, em busca de uma vida melhor (?).
Mais que indignada, fico enojada com essa gente desumana, hipócrita, egoísta.
Eu gostaria mesmo é que esse pessoal dos direitos humanos, ao invés de ficar se metendo a defender os direitos dos bandidos aqui no Brasil, esquecendo dos direitos das vítimas e de suas famílias, se preocupassem com a situação dos imigrantes em países como a França.
Por favor, defendam esses "teimosos" que insistem em sobreviver apesar de tudo, em ter uma vida digna para si e sua família, mesmo que para isso tenham que esquecer que são seres humanos também, quer essa gente dos países ricos queiram, quer não queiram.

Nadir



2006-10-04 05:56:15

O gosto amargo dos frutos e legumes

É um absurdo que fatos como esses continuem a existir na França em nossos dias. Como a Pàtria dos Ideiais "Liberdade, Igualdade e Fraternidade" pode co-existir com tanta desigualdade , escravidão e falata de humanidade com os irmãos???

Eu protesto indignada, e tomo a liberdade de pedir que se faça um abaixo assinado pedindo providências ao Governo Francês para que se apure tais delinquências com o rigor merecido, e se faça cumprir as leis das Nações Unidas - da qual a França deve ser membro.

afinal "todo homem tem os mesmos direitos" deve ser levado ao pé da letra e não ser apenas uma frase bonitinha num papel.

não preciso lembrar que foram os franceses os co-autores da declaração dos Direitos do homem, que dizem, entre outras coisas que:
"Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade."

Que se cumpra a lei!


Angélia Cavour
2006-10-02 15:30:25

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.