Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de junho de 2022

» Varoufakis: por que a inflação voltou

» A reencarnação prismática do Ulisses

» Poderá a técnica salvar o patriarcado?

» 23 de junho de 2022

» Por que direitos humanos não “pegam” nas polícias

» Erveiros e benzedeiras na linha de cura

» Equador: as razões da nova revolta

» Cinema: Corpo livre, corpo cativo

» 22 de junho de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Tunisie : le triple déni des cadres déchus

» L'Ukraine se dérobe à l'orbite européenne

» Le Donbass apprend à vivre sans Kiev

» L'État de droit, une notion faussement neutre

» En Guyane, sous les pavés la Bible

» État d'urgence permanent

» De nouvelles routes pour le pétrole et le gaz

» Donald Trump s'épanouit en chef de guerre

» Le camp d'Hagadera au quotidien

» Les réfugiés, une bonne affaire


Edição em inglês


» June: the longer view

» Putting internal displacement on the map

» The Trans-Amazonian Highway

» Bosnia-Herzegovina: three intertwined histories

» Energy interdependence

» Consider the croissant: a history of food fraud

» Brazil's trans-Amazonian highway of fire and mud

» Fate of a Chinese colony

» Bosnia: coexistence without reconciliation

» Sinn Féin extends its reach to Ireland's South


Edição portuguesa


» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica

» A Finlândia e a Suécia rompem com o ideal nórdico


Comentários sobre esse texto:

O genocídio da grande fome do século 19

O avanço da desigualdade social, a concentração dos meios de produção em mãos de poucos, que especulam ou inviabilizam a produção, são variáveis que conduzem o homem ao fenômeno do genocídio da grande fome do século 19.

Não é preciso ir muito longe na história do Brasil, um País adequado a produção de alimentos dado o seu clima e a qualidade de suas terras, mas mesmo assim, Manuel Bandeira, poeta brasileiro, em sua poesia, retratou o Bicho, o homem marginalizado à sociedade, que se resumiu a condição de ratos nos lixões das grandes cidades. Um Homem, que para não agredir e não roubar, busca sobras nos lixos residenciais e quando encontra alguma coisa, não exita, engole.

É talvez, o mais duro retrato do desprezo que a gestão privada do interesse público tem pelo homem natural, que se fez social, mas sem direito a divisão das utilidades produzidas pelo Estado. Um Estado que avança em despesas, mas não faz o enfrentamento da concentração de renda, um permissivo histórico, que aqui foi instalado desde os tempos do descobrimento pelos portugues, sem que qualquer doutrina tem sido elencada em oposição a concentração de renda, primeiro pelo ciclo da produção do café e da cana de açucar, depois com o boi, uma cultura agropastoril, que tem escravizado a sociedade, que hoje desagua na movimentação de capitais e empresas sem pátrias, sem compromisso com o Estados, que aportam capitais e levantam rumo a outras economias, com rastro de destruição social, num processo globalizado de concentração de rendas a velocidade da luz, em constantes buscas do lucro, seguido do prejuízo social. A esse capital, a sociedade dos países globalizados devem tecer regras de contenção da concentração, visado o interesse público, da paz e do desenvolvimento dos povos.

Visto assim, visualizamos nessa movimentação de capital, a mesma violência que a história registrou sobre às invasões bárbaras.

São aqueles, no passado sedentos da produção dos dominados e estes, dos capitais sem pátria, não se diferenciam daqueles, pois trazem a mesma violência da terra arrasada, do saque e da destruição social, mudaram os meios e as ferramentas para a prática da mesma violência.


GILSON RODRIGUES
2006-10-26 22:32:13

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.