logo

maio 2008



LEGIÃO ESTRANGEIRA

Gaúcho pretende seguir carreira

Ex-sargento do exército brasileiro, Luís da Costa, já lutou pelos interesses da França em dois países africanos


Maranúbia Barbosa

Apesar de todas as adversidades, o gaúcho Luís da Costa (nome de guerra), 31 anos, há quase três anos na Legião Estrangeira, não pretende desligar-se do posto. Ele afirmou que assim que terminar o contrato vai pedir a renovação e, também, a cidadania francesa.

Costa, residente em Três de Maio (RS), decidiu entrar para a Legião depois de ter servido o exército brasileiro por sete anos como sargento. O gosto pelo serviço militar, a experiência e a excelente forma física fizeram com que ele fosse aceito de imediato no regimento de paraquedistas, na Córsega.

O gaúcho, que já integrou diversas missões de prevenção, afirmou que em nenhum momento pensou em desistir, pelo contrário. "As dificuldades me empurram para a frente". Ele contou que a experiência de estar em países africanos pobres, como o Djibuti, por exemplo, só engrandece. "A gente distribui água, ajuda nas campanhas de saúde. A população, de modo geral, recebe bem os legionários. O duro é ter que andar fardado, com uma mochila de sete quilos debaixo de um calor de 50 graus". A Costa do Marfim, segundo ele, é uma das missões mais delicadas e um dos lugares mais perigosos para os legionários. A política dos franceses no país e a rivalidade entre etnias fazem os legionários pisarem em ovos.

Mas na Legião "nem tudo é bomba", disse Costa. Ele ressaltou o contato entre as diversas nacionalidades. "Os companheiros são de países diferentes, cada qual com seus hábitos. Por incrível que pareça, existe mais camaradagem do que deslealdade", sublinhou.

Mais:

Mercenários brasileiros na Legião Estrangeira
Atraídos por salários, a chance de apagar o passado e aventuras, dezenas de brazucas alistam-se, todos os anos, no legendário exército de aluguel francês. Nossa repórter conseguiu deles revelações sobre a condição de soldados de um pátria alheia, em missões cujo sentido desconhecem

Legionários são heróis na França

Legionários são heróis na França Desde 1831, quando o exército mercenário foi criado pelo rei Luís Felipe, mais de 35 mil de seus membros já morreram, em dezenas de batalhas mundo afora