logo

junho 2008



CHÉRI À PARIS / CRÔNICAS FRANCESAS

Leres em tilt

— Sabe, adoro escutar essa língua.
— E você entende?
— Sim, claro. Sou brasileira.
— Ué. E por que não fala com a gente em português?
— Boa idéia! Sabe, j’aime beaucoup morar em Paris.


Daniel Cariello

Um dia desses estava com amigos brasileiros no RER, o trem que liga Paris aos seus subúrbios, conversando normalmente no mais claro português. Numa das paradas entra uma mulher meio descabelada, olhos bem abertos e um meio sorriso que não saía da boca de jeito nenhum. Fica olhando pra gente um bom tempo e decide puxar assunto, em francês.

— Oi.

— Oi.

— Eu vi que vocês falam português.

— Sim, falamos.

— Posso sentar aqui perto?

— Claro.

Sentou e ficou nos encarando, o olhar perdidão, a cabeça a balançar e os pés que não paravam de bater alternadamente no chão, marcando um ritmo que só ela compreendia. Continuamos conversando sem dar muita bola. Do nada ela solta uma frase.

— Sabe, adoro escutar essa língua.

— E você entende?

— Sim, claro. Sou brasileira.

— Ué. E por que não fala com a gente em português?

— Boa idéia.

Até então, parecia que ela não tinha se dado conta de que estava se comunicando em outra língua. E fez um esforço para mudar a chave cerebral de idiomas do francês para português. Acontece que a dela estava em curto-circuito.

— Sabe, j’aime beaucoup morar em Paris.

— É?

— É. C’est très bonito.

— E o que você faz por aqui?

— Je trabalho.

— E não sente muita falta do Brasil?

— Moi? Não, não, não, não.

— Qual seu nome?

— Leres.

— Leles?

— Pas du tout. Leres. Repete.

— Leres.

E fez cada um de nós repetir, para ter certeza de que havíamos compreendido.

— Toi!

— Leres.

— Agora toi.

— Leres.

— Voilà. Et toi?

— Leres.

— Très bien. Vocês entenderam. Sabe, les gens não entendem bem. Acho que elas são un peu confusas.

— É, tem muita gente confusa no mundo.

— E você, o que faz aqui en France? Perguntou pra mim. E eu adoro conversas surreais.

— Eu vim com ela.

— Elle te trouxe?

— Sim, primeiro tentou trazer um índio e uma arara, mas o Ibama não deixou. Aí se contentou comigo mesmo.

— O Ibama c’est sempre compliqué.

Logo se dirigiu a um de nós e mudou totalmente de assunto. Tagarelou uns bons minutos sem parar, gesticulando, perguntando e respondendo pra si mesma, rindo do que dizia. Só que ela falou em francês. E o escolhido, um amigo que passava férias em Paris, não manja uma só palavra do idioma.

— Leres.

— C’est moi.

— Não entendi nada do que você disse.

E ela começou a repetir tudo, de novo em francês.

— Leres.

— C’est moi.

— Continuo sem entender.

Quando ia começar a repetir mais uma vez, chegou a estação na qual esse amigo precisava descer. Ele despediu-se de nós e saiu do trem. A Leres mudou de cadeira e veio falar baixinho no pé do ouvido, pra ninguém mais ouvir.

— Ton amigo não entende nada, né? Ni français e nem português.

— Ele tem dificuldade.

— Credo. Tenho horror dessas pessoas confusas. Vraiment.

Mais

Daniel Cariello assina a coluna Chéri à Paris. Também mantém o blog de mesmo nome e edita a revista bilíngüe Brazuca, publicada e distribuída na França e Bélgica. Edições anteriores:

Arigatô, monsieur
. No bairro chinês tem um McDonalds com cardápio em chinês. Ou em japonês, sei lá.
. Apesar de ter sido criado por um japonês, o Miojo e seus derivados são chamados aqui de "macarrão chinês".
. O bairro chinês, na verdade, fica na Praça da Itália.

Um quadro, três histórias
Verdadeiros samurais modernos, munidos de máquinas fotográficas ao invés de espadas, os japoneses não se importaram com as dimensões da obra e nem com o aviso, e saíram clicando em uma velocidade digna de Guiness. Do livro dos recordes, claro, não da cerveja

Salamaleque!
— Bra bra bra minha mulher bra bra bra bra. — Eu sei, eu sei. Também acharia estranho o fato de a moto sumir. — Bra bra bra bra bra loja... Gentil bra bra. — Que isso... Precisando é só chamar.

Roteiro de viagem — Essa, não.
— Não quer visitar a Torre Eiffel?
— Quero não.
— Mas todo mundo que vai a Paris visita.
— Pois eu vou ser o primeiro a não ir.

Calendário de inverno
— No fim das contas, o que importa é que o verão está chegando. Quais são seus planos?
— Eu vou pro Brasil.
— Pro Brasil, pro inverno de lá? E vai fazer o quê?
— Como assim? Usar todos esses casacos que comprei, claro.

Eu x Zidane
"Senti o peso e a responsabilidade. 160 milhões de brasileiros e 60 milhões de italianos esperavam ansiosos por alguma ação minha. Respirei fundo e, imitando o meio-campista francês, meti a testa no peito do cara, com mais força do que o previsto"

Paris para crianças
— Você sabe o que é escargot?
— Não.
— É um caramujo.
— Eca.
— Os franceses comem.
— É por isso que eles fazem aquele biquinho?

Protesto!
Todo dia tem uma manifestação em Paris, pelos motivos mais diversos. Ontem, esbarrei em uma passeata pelo direito dos cães. Quando cheguei em casa, encucado, comecei a fazer uma lista de possíveis novas campanhas, organizações e movimentos, caso a inspiração dos parisienses acabe um dia

Como falar francês sem falar francês
Quanto boiar completamente, marque um ponto no horizonte e fixe o olhar. Se te perguntarem alguma coisa, arregale os olhos e repita a seguinte frase: "pardon, j’ai été inattentif". Em bom português, "desculpa, estava desatento". Mas nunca peça pra repetir

Pinga ni mim
Eram eles de novo, acompanhados por três policiais. Entraram e pegaram nossos dados. Enquanto um escrevia, os oito restantes ollhavam pra parede. Tinha tanta gente admirando os pingos que tombavam, como se fosse uma instalação, que se eu abrisse umas cervejas pareceria um vernissage

Alô, Hugo
— É o Hugo, mexicano?
— Não. É o Daniel, brasileiro.
— Mas você fala espanhol? (...) Que estúpida eu sou. Você fala brasileiro, né?
— Também não.

A Terceira Guerra Mundial
O argelino suava. Sua hegemonia estava em jogo. Se tivesse razão, teria o ego tão inflado que voltaria voando pra casa. Se estivesse errado, perderia o posto de professor de Deus, que ele mesmo se concedera. A russa só ria, mostrando sua milionária arcada dentária para a turma

Procura-se pão francês
— É o pão do dia-a-dia no Brasil.
— E vocês o chamam de pão francês? Olha, acho que ele não existe na França.
— Quer dizer que temos sido enganados esse tempo todo?
— Lamento te revelar isso assim, de sopetão.