Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que Globo está em cruzada contra os servidores?

» Capitalismo em Quarentena: para afastar os mitos

» Literatura dos Arrabaldes: Rebeldia não engajada

» O bispo dos pés descalços e do bom-combate

» 13 de agosto de 2020

» Bolívia: a liberdade se recupera nas ruas

» Boaventura: em busca de saídas para o Brasil

» “Sionismo de esquerda”, cruel contradição

» Numa sentença racista, os 500 anos de opressão

» A jaqueta assassina e o cinema do absurdo

Rede Social


Edição francesa


» Désobéissance civique pour une Europe de gauche

» Confucius ou l'éternel retour

» Marseille, quartiers nord

» Le style paranoïaque en politique

» La Chine est-elle impérialiste ?

» Victor Hugo peintre

» La mémoire meurtrie de Mahabad

» L'hostilité et la haine, ici, chaque jour...

» Contestation sonore en Angola

» Contre la concurrence, l'émulation


Edição em inglês


» Violence spreads in Nigeria

» US-Iran: an election showdown?

» August: the longer view

» Hagia Sophia in Turkey's culture wars

» Pilgrimage routes

» Bolivia's shrinking glaciers

» It's the healthcare system, stupid

» The Twenty Years' war

» Government by the worst

» The eternal Johann Sebastian


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2020

» Prisioneiros do paradigma

» A guerra dos vinte anos?

» Offshores: paraíso para alguns, inferno para todos

» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago


Comentários sobre esse texto:

Teoria Geral da Relatividade, 94 anos

Quando crescer queria ser alguém como Eistein!


G-lune’S
2010-04-02 04:13:25

Teoria Geral da Relatividade, 94 anos

há um poema muito interessante, eleonora, que poderia ter sido escrito por galileu/newton/planck/eistein.

atravesso devagar teu nada
essa abstração do espaço
ocupado pela aparência inercial
nú das noções de conteúdo
como criatura que vive alhures
contemplativa dessa solidão
para que me vejas com nitidez
o mesmo ser o único menestrel
e então se não fores atemporal
uma só vez ao menos poderá me ver
e retornar antes mesmo eu tenha partido
desta vez menos devagar a tua visão
e ainda assim te atravessar.

de todos eles mas principalmente eistein nada ao longo da teoria teria um valor por enquanto absoluto na sua relatividade, não fosse a presença do elemento mais importante, o efetivamente absoluto na acepção mais ampla do termo: o observador! em quaisquer das hipóteses, como diz no poema, é ele o fundamento universal, talvez no dizer de arquimedes, a alavanca, única, do conceito teórico.

no trem, no navio, em um ponto qualquer do espaço/tempo, sempre estará ele a materializar a afirmação da teoria, senão a sua proposição.

certamente que a relatividade aguçou nosso papel como observador,contudo este muito pouco contribuiu para um novo modo de ver ao nosso redor. alguns de nós vimos einstein e sua teoria, mas como que o reafirmando, ele e sua teoria, para milhões de criaturas, continuará sendo um ilustre desconhecido.

o aquecimento apenas veio comprovar nosso desprezo pelas teorias e como, também, a figura do observador foi satirizada.

as duas bombas, a constância da guerra as maldades comuns e o próprio senso comum sobre essa sorte de fatos, apenas se comportam como fotons e pouco a pouco estamos nos encaminhando para o encontro com a parte final da curvatura.

imagino que einstein deva ter se feito muitas reflexões ao ler a carta de galileu para fortunio,e talvez quando tenha escrito ao presidente, o tenha feito quase como um mea culpa, e mesmo assim, com uma secreta ponta de orgulho íntimo por ver na prática a sua equação mais dileta.



2010-03-24 14:03:39


Título:

Texto da sua mensagem:

(Para criar parágrafos, basta deixar linhas em branco.)

Quem é você? (opcional)

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.